Santuário de Nossa Senhora de Fátima

Rua do Riachuelo, 167 (Condomínio Chácara da Cidade) – Centro; Rio de Janeiro, RJ

No centro da Cidade do Rio de Janeiro, na Rua do Riachuelo, está erigida a Matriz de Nossa Senhora de Fátima. Imprenssada entre dois edifícios, a Igreja forma um contraste interessante com as construções locais. Apresenta um passado imponente, merecendo destaque por sua condição de “Santuário” e sua harmoniosa concepção arquitetônica.

O idealizador do Santuário e seu primeiro Reitor foi o Padre Agnelo De Paoli, membro daPequena Obra da Divina Providência. Estando no Brasil no final de 1930 e enfrentando dificuldades tanto financeiras como legais, em outubro de 1939 ele fundou uma Capela no local do Santuário dedicada ao culto à Virgem Maria de Fátima. No mês seguinte, foi criada a Confraria de Nossa Senhora de Fátima do Rio de Janeiro que tomou o notável impulso, agregando mais de 200 devotos. Em outubro de 1940, iniciou-se a publicação do boletim ”Fátima Brasileira”, que além da doutrinação, muito ajudou nas obras do artístico

Templo.       

Em 16 de junho de 1940, foi lançada a Pedra Fundamental, com toda a pompa litúrgica, e abençoada pelo Cardeal D. Sebastião Leme; com a participação do Governo e com a presença do Embaixador de Portugal, Dr. Martinho Nobre de Melo, autoridades consulares, grande representação da colônia portuguesa e considerável multidão. As obras do novo santuário começaram somente em maio de 1942, e em 13 de maio de 1944 oCardeal Arcebispo D. Jaime de Paoli, foi chamado à Itália em 1946,para a Reunião Geral da Pequena Obra da Divina Providência.

Grande  era o desejo de inaugurar o Templo. Após adversidades, foi possível marcar a data para o trigésimo aniversário da aparição da Virgem em Fátima, em 13 de maio de 1947. Grandes foram os esforços dos dirigentes para preparar com pompa a festa de inauguração que deveria ir de 3 a 13 de maio.

Em 20 de abril, realizava-se uma reunião geral com todas as corporações do Santuário para a preparação. No dia 3 de maio, pelas 19 horas, o Cardeal Arcebispo D. Jaime de Barros Câmara benzeu o novo Templo. 

Enquanto realizava esse ato, chegava triunfalmente em procissão a imagem de Nossa Senhora de Fátima. Os dias que se seguiram até o dia 13 foram repletos de muitas celebrações e festas, inclusive surpresa: uma delas foi o regresso do idealizador do Templo, Pe. Agnelo de Paoli.

Mesmo inaugurada, faltavam ainda detalhes a serem finalizados em sua arquitetura, o que ocorreu mais tarde. Merece  menção o fato de termos o altar da esquerda do átrio dedicado a São João de Brito (foto ao lado), nascido em Lisboa em 1647, filho de Salvador de Brito Pereira, Governador de nossa Cidade de 1649 a 1651. São João Brito foi mártir no Oriente tendo falecido na Índia em 1693.

Fonte: http://santuariodefatimarj.blogspot.com/p/um-pouco-de-historia.html